Home»Dicas de Fotografia»Semi profissional – A verdade que nunca contaram

Semi profissional – A verdade que nunca contaram

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Semi profissional ou superzoom? Acho que 80% das pessoas confundem esses dois termos e outros 90% ficam ainda mais confusos quando visitam lojas que destacam em letras garrafais classificações erradas em seus produtos. Claro que a culpa não é sua! Afinal você não tem a obrigação de saber sobre a classificação das câmeras nem culpa da pobre superzoom que foi mal classificada e rotulada como uma câmera semi profissional.

Aliás, para começo de conversa essa história de “câmera profissional” ou “semi profissional” é pura bobagem. Quem deve ser profissional é quem usa a câmera e não o equipamento em si e você vai entender isso no final deste artigo. Dependendo da situação um profissional da área de fotografia poderá usar uma D610 ou uma Sx50HS, por isso não se apegue às terminologias.

O grande problema é que as lojas (online e físicas) que vendem câmeras semi profissional empregam vendedores que são apenas VENDEDORES e não fotógrafos. O que eles precisam fazer é vender, mesmo que o produto não seja exatamente o que o cliente está procurando.

Veja também: Câmeras – Simplesmente tudo o que você precisa saber

Superado esse breve momento de lucidez, vamos conversar um pouco sobre o que é uma câmera semi profissional  para que você nunca mais seja enganado por um vendedor “safadenho” que adoraria que você comprasse uma câmera semi profissional sendo ela uma superzoom ou por algum site que não soube classificar corretamente seu produto.

SUPERZOONS

As superzooms foram criadas para atender o público que estava descontente com as limitações das compactas, mas que não gostaria entrar no mundo manual das DSLR. Se essa descrição confere com suas necessidades, comece a considerar uma superzoom ao invés de investir em uma câmera semi profissional que ficará além dos seus objetivos.

As superzooms também podem ser encontradas com o nome de bridge, que em tradução livre significa “ponte”; e é isso mesmo o que ela representa: uma ponte entre o mundo das compactas e o mundo das DSLR. Nice!

# Características de uma superzoom

A primeira coisa que chama a nossa atenção é a “pegada” da câmera. O corpo das superzooms é mais avantajado e mais encorpado que as compactas, os botões são bem ergonômicos (na maioria dos modelos) e possuem uma grande lente zoom (35x, 40x e por aí vai). Talvez seja exatamente por corpo da câmera ser parecido com a de câmeras semi profissionais que muitos se confundem.

Basicamente uma superzoom tem as especificações de uma câmera compacta comum (às vezes um pouco superior) e uma lente com um grande zoom. É possível ajustar alguns parâmetros manualmente tal qual as DSLR’s, mas ainda assim os comandos são bem limitados. Ideais para quem quer apenas apontar e fazer a foto, sem ter que ficar pensando ou ajustando a câmera.

É de conhecimento geral que a parte mais importante em uma câmera é seu sensor e sua lente, principalmente quando estamos falando de uma DLSR, mas querem saber um segredo? Vocês sabem qual a diferença do sensor de uma compacta para um superzoom? Nenhuma. Pois é… nenhuma.

Quanto maior o sensor, mais luz ele captará e melhor será a qualidade da foto. O sensor da compacta da Sony DSC-W730, igualzinha a essa que você tem em casa, mede 6,17mm x 4,55mm (1/2,3”) e o sensor da superzoom da Fuji, a S4500, mede 6,17mm x 4,55mm (1/2,3”).

A câmera ter 16Mp ou 9Mp ou 32Mp é irrelevante se considerar que para imprimir (isso se é que você chega a imprimir nos dias de hoje) uma foto em tamanho padrão, ou seja, 10cm x 15cm, são necessários apenas 3 ou 4Mp. Tudo bem, você vai imprimir um banner de 20m x 30m? Então aí sim a resolução será crucial.

O que aquele site ou aquele vendedor está tentando vender como câmera semi profissional nada mais é do que uma compacta que tomou alguns anabolizantes, ficou bombada e ganhou uma lente grande.

Se gostou deste artigo e quer que publiquemos mais posts ou quer receber dicas em seu e-mail, inscreva-se no site! Não custa nada e ainda incentiva o trabalho no Verena.

 

Isso é necessariamente ruim? Claro que não! Lembre-se: cada câmera é projetada para uma finalidade e para um público alvo. Se você se cansou da simplicidade das compactas, quer subir um degrau, mas sem aventurar nos modos manuais e equipamentos caros das DSLR? Compre uma superzoom!

Quero deixar claro que o equipamento não faz o fotógrafo: uma pessoa treinada ou com um olhar apurado fará belíssimas imagens com uma superzoom ou até mesmo com uma TekPix (o que tornaria essa pessoa um milagreiro, veja o motivo aqui).

As câmeras possuem “rótulos”, finalidades, públicos-alvo e devem ser direcionadas para usos corretos com sua capacidade técnica, ou seja, superzoom, DSLR de pequeno, médio e grande porte, compacta… são todos rótulos e dedicados a grupos e usos específicos.

Não é certo vender uma superzoom com o rótulo de câmera semi profissional. Não é certo o consumidor comprar algo que não é o anunciado. Não é certo esse tipo de informação ficar escondida. Por isso, querido leitor, fique esperto quando for comprar sua câmera. Busque informação para não comer gato em vez de lebre.

Veja também: As melhores lentes Canon  que não podem faltar no seu set

As superzoons são mais caras que as compactas e, às vezes mais baratas que as DSLR’s, em torno de R$ 1.000 a R$ 2.000,00. Possuem uma objetiva fixa mais “avantajada” em relação às compactas e recursos um pouco mais interessantes que as pequenas digitais.

Uma lei do século XIII fixava o preço da pele de vários animais, como cordeiro, cabrito, raposa, lontra, marta e muitos outros bichos. A do gato fazia parte dessa lista e era muito barata (cerca de um terço da de raposa, sem falar nas peles de luxo como a de lontra ou a de marta). Em termos culinários, a carne de gato, depois de receber temperos que lhe fazem absorver melhor os condimentos, torna praticamente imperceptível a diferença entre ela e a de lebre. Por isso, a expressão significa ser enganado, ludibriado por algum vigarista.

Prós:

  • Tem sensor um pouco maior que as compactas, ou seja, mais luz será captada, mas a diferença de tamanho não é tão grande assim.
  • Possuem alguns ajustes semi-manuais
  • Mais baratas que as DSLR’s

Contras:

  • Não são tão fáceis de carregar por serem um pouco maiores.
  • Não há possibilidade de trocar a lente, ao contrário das DSLR e das MirrorLess.
  • Não existe uma grande variedade de modelos e marcas.

Uma superzooms tem apenas um objetivo: zoom. Possuem alguns ajustes a mais que as simples compactas e pode ser uma boa compra caso não tenha dinheiro para uma DSLR, mas não quer ficar limitado pelas configurações básicas das compactas. Indicadas para amadores que querem/precisam de um pouco mais de zoom ou controles inexistentes nas digitais, botões de acesso fácil e etc.

SEMI PROFISSIONAIS

O primeiro esclarecimento que gostaria de fazer é que o termo “câmera semi profissional” confunde muita gente. No artigo Câmeras – Simplesmente tudo o que você precisa saber você vai aprender que existem três categorias de DSLR, a saber: DSLR de Pequeno Porte (Básicas e Avançadas), DSLR de Médio Porte e DSLR de Grande Porte.

Infelizmente as pessoas colocam essas três categorias dentro do pacote chamado semi profissional sem entender que nenhuma câmera é semi profissional (até porque até onde eu sei não existe semi grávida ou semi buraco). Dentro da fotografia existem pessoas amadoras e pessoas profissionais e não equipamentos profissionais ou semi profissionais.

Veja também: 3 tipos de lentes que todo iniciante deve ter

Se um mecânico de automóveis possui somente um alicate para fazer a manutenção de um motor, você não concorda que ele vai conseguir, mas que estará limitado por causa da ferramenta dele? Talvez ele demore mais para concluir o serviço ou perca um pedaço do dedo quando o alicate escorregar ao apertar um parafuso (quem nunca? – risos).

Se ele tivesse um jogo de chaves, o serviço dele não ficaria mais fácil, mais rápido? É a mesma coisa com as câmeras. O mecânico é o fotógrafo profissional e o alicate é uma superzoom, ou seja, ele vai conseguir fazer boas fotos com a superzoom, porém estará limitado ao que seu equipamento pode oferecer.

Se ele tivesse uma DSLR o trabalho seria muito mais fácil. É curioso que se você fosse o dono do carro, tanto faz se o mecânico usou um alicate ou um jogo de chaves, o importante seria ter o carro funcionando. O cliente enxerga suas fotos e não o equipamento que você usa, embora existam pessoas que se impressionam mais com o tamanho da lente do que com a habilidade do fotógrafo – tempos modernos.

O cliente enxerga suas fotos e não o equipamento que você usa”

As DSLR são indicadas para quem quer se aprofundar em fotografia, ou seja, querem trabalhar com pequenos eventos e monetizar seu trabalho, estudar sobre os conceitos básicos ou aprender mais enquanto as superzoons estão aí para quem quer apenas fazer sua foto diária ou registrar aquele pássaro que está longe.

Aliás… você sabe o quanto um contrato de prestação de serviço é importante para o fotógrafo? Se você não souber como fazer, eu disponibilizo um modelo de contrato que pode ser baixado e adaptado para suas necessidades.

Veja também: Aprenda a criar um de Contrato de Fotografia em pouco passos

# Características das câmeras para usos “semi profissionais”

As câmeras chamadas de “semi profissionais” pertencem a uma categoria completamente diferente das superzooms, por isso não há como comparar algum modelo dessas categorias em pé de igualdade. Muitos leitores me perguntam: “qual é melhor? Sx50Hs ou a D7100?” e eu sempre respondo que da mesma forma que não tem como comparar um avião com um carro porque eles são de categorias diferentes, não tem como comprar uma superzoom com uma DSLR.

Uma DSLR possui um sensor maior que o de uma superzoom e ainda conta com uma divisão de categoria: sensores DX e FX. Existe um artigo que explica como o tipo de sensor da sua DSLR pode afetar suas fotografias te dando mais ângulo de abertura ou fechando seu campo de visão… vale a pena ler.

Veja também: Guia Definitivo para aprende tudo sobre o que é DX e FX

Você consegue perceber que estamos falando de dois tipos de câmeras diferentes? Uma câmera dita semi profissional possui construção mais robusta, com materiais melhores – como liga de magnésio nas DSLR de Médio e Grande Porte – e são mais resistentes ao clima que as superzooms, que possuem corpo em plástico e detalhes mais frágeis.

As DSLR’s são câmeras que podem ser usadas profissionalmente com segurança, pois elas dificilmente vão te deixar na mão durante um ensaio ou trabalho fotográfico. As “semi profissionais” possuem sensores maiores, são mais resistentes e mais rápidas. O preço dessas crianças varia de R$ 1.500 a R$ 30.000 fácil fácil.

Prós:

  • Sensor maior, ou seja, mais luz e mais qualidade de imagem
  • Ergonomia
  • Ideal para pequenos trabalhos fotográficos

Contras:

  • São caras
  • O tamanho e peso podem ser aspectos negativos para você se estiver procurando uma câmera pequena
  • É recomendável fazer um curso de fotografia básica para aproveitar 100% do potencial da câmera

A qualidade de uma câmera para uso semi profissional é facilmente perceptível. Mesmo para quem tem e usa uma DSLR de Pequeno Porte ao pegar uma câmera de uso semi profissional a diferença é nítida a começar pela pegada e indo até a agilidade da câmera.

Se você decidiu que quer viver ou que pelo menos quer trabalhar seriamente com fotografia, mas não quer ou não tem grana para comprar uma câmera profissional, então a câmera de uso semi profissional é ideal para você.

Semi profissional ou não? Eis a questão!

Guie-se pela finalidade que vai dar a câmera, o tipo de foto que quer fazer e procure um equipamento que vai te ajudar a atingir esse objetivo. Veja que se quiser fazer fotos por hobby você pode usar uma compacta, uma superzoom ou uma câmera de uso semi profissional… não há problema algum com isso, mas se sua meta é trabalhar e ganhar dinheiro com fotografia, lembre do exemplo do mecânico.

Quer ler mais conteúdos incríveis como este? Sabia que temos um guia para você que é iniciante? Continue no Verena e descubra os mais impressionantes artigos sobre fotografia em uma linguagem simples, fácil e prática!

Espero que você nunca mais seja enganado pelas propagandas ou pela lábia de algum vendedor engraçadinho. Mais uma vez lembre-se da máxima da fotografia: Quem faz a foto é o fotógrafo e não seu equipamento. Recorde também que, embora todo mundo use o termo “semi profissional” para identificar superzoons ou até mesmo DSLR’s, o profissionalismo está ligado à pessoa e não ao equipamento.

Agora você nunca mais ficará confuso!

FonteVerena Fotografia

Comentários

comentários

Post anterior

MULHERES NA FOTOGRAFIA: EVE ARNOLD, A PIONEIRA NO FOTOJORNALISMO

Próximo post

MULHERES NA FOTOGRAFIA: MARGARET BOURKE-WHITE, A PRIMEIRA FOTÓGRAFA DA LIFE