Home»Artigos de Foto e Vídeo»Credibilidade do Fotojornalismo

Credibilidade do Fotojornalismo

eMania https://blog.emania.com.br/content/uploads/2015/05/logotipo.png
eMania
1
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Hoje, a profissão do fotojornalista pode estar ameaçada pela transformação tecnológica, a ascensão do vídeo e pela fragmentação da mídia. Alguns críticos questionam a credibilidade da profissão e os fotojornalistas tentam trazer uma imagem mais precisa do mundo, como uma saída para manter o oficio sólido. Infelizmente, os fotojornalistas não tem um manual do que podem e o que não podem fazer e muito menos as consequências dessas ações. Mas, existe um consenso ético que diz que as fotos devem sempre falar a verdade. A questão é: até que ponto vai à verdade?
Se você é estudante de jornalismo, jornalista ou fotojornalista conheça as dicas que preparamos, com base nos estudos de críticos da área, jornais que entendem do assunto e fotojornalistas respeitadíssimos. Assim você pode garantir mais credibilidade como fotojornalista, principalmente em uma época que isso está sendo o maior diferencial entre os profissionais da área.
1 – Alterar fotografias é antiético, sim. Mas até onde?


Todo bom jornalista sabe que a foto em si já é uma alteração da realidade, porque quando você seleciona o ângulo, o enquadramento e os filtros, você já está fazendo um recorte da realidade. A questão é saber o seu limite como formador de opinião. O fotojornalista não alterara a fotografia, não adiciona elementos no cenário para as fotos ficarem mais apelativas, nem pedem para as pessoas envolvidas mover-se de lugar. Porém, pode ser necessário editar pontos específicos da foto para aumentar a qualidade técnica da imagem. As imagens eletrônicas levantam novas questões, mas as respostas vêm todas dos valores antigos: tonificação e cortes são aceitáveis, retoque é limitado à remoção de arranhões e pontos de poeira e os ajustes de cor devem ser sempre mínimos.

2 – O que os jornais mais famosos do mundo falam sobre a credibilidade do fotojornalismo
A credibilidade é essencial para as organizações de notícias e para os fotojornalistas. Se o público não acreditar na autenticidade da imagem, a notícia será quebrada, incompleta. A consequência disso é que os consumidores não compram produtos quebrados por muito tempo e a credibilidade do fotojornalista perde cada vez mais espaço no mercado. As fotos do New York Times, por exemplo, segundo o editor chefe, as imagens se propõem a “descreverem a realidade e devem ser genuínas em todos os sentidos”. O Washington Post, outro jornal de conhecimento mundial, expressa a missão dos seus fotógrafos em termos semelhantes: “A fotografia tem vindo a ser confiável como uma ficha virtual de um evento. Nós nunca devemos trair essa confiança”. A Associated Press coloca desta forma: “As nossas imagens devem sempre fale a verdade”.

Em que pé estamos?


Agora, os jornalistas e fotojornalistas estão tentando responder perguntas sobre a credibilidade do fotojornalismo que se multiplicam antes de serem respondidas, tais como:
O que acontece quando a tecnologia torna mais fácil a alteração das imagens e muito mais difíceis de detectar? O que acontece quando cinegrafistas de televisão, que nunca se inscreveram nas diretrizes de jornais, vêm à tona em organizações jornalísticas? O que acontece quando segmentos influentes do público perdem a fé em conceitos gastos pelo tempo?

Essas são questões que começam a vir à tona quando pensamos em fotojornalismo de “verdade”. Quando as páginas do livro de regras do fotojornalismo começam a virar cinza em vez de preto e branco. E quando o chão sob as notícias fotográficas começam a virar uma ladeira escorregadia em vez de rocha sólida. Howard Chapnick, líder de fotográfica da Agência Black Star, por mais de 25 anos antes de sua morte, em 1996, disse o seguimento de ética do fotojornalismo: Credibilidade. Responsabilidade. Estas palavras nos da direito de chamar a fotografia de profissão em vez de negócio. Não manter essa credibilidade vai diminuir o impacto jornalístico e é claro, a autoestima dos profissionais. É da importância da fotografia como comunicação valorizar a credibilidade e lutar por ela incansavelmente.

O que posso fazer para ajudar na credibilidade do fotojornalismo?

credibilidade do fotojornalismo
01- Para ajuda na credibilidade do fotojornalismo, comece a usar programas detectores de manipulação de imagem: nos últimos anos, a nova tecnologia pode ajudar as organizações de notícias e os fotojornalistas a identificarem falsificações de imagem. Procure por eles e faça a sua parte.

02 – Cobre dos freelancers e jornalistas cidadãos o mesmo padrões dos fotógrafos profissionais: O fotojornalista cidadão é um dos desafios enfrentados pela comunidade fotojornalismo. Porém, não é porque ele não é profissional, que se pode aceitar imagens antiéticas, alteradas ou manipuladas. Portanto, cobre a integridade da imagem sendo de quem for.

03 – Comece por você: a melhor maneira de ajudar na credibilidade do fotojornalismo é começando a ser ético em suas próprias fotos, seja você um fotojornalista ou um chefe de jornal/agência.

Agora que você já conheceu um pouco mais sobre os desafios, questionamentos e possíveis soluções para o fotojornalismo, não pare por aqui! Acompanhe o nosso blog e aprenda as melhores técnicas para tirar fotos cada vez mais incríveis.

Post anterior

Dicas para contar melhor uma história através das fotografias

Próximo post

Astronautas usam Canon EOS C500 para fazer filme 3D da Terra

O Autor

Sinapses Comunica

Sinapses Comunica

Conexões inteligentes entre você e seu público!