Morre aos 72 anos Orlando Britto, lenda do fotojornalismo brasileiro

1 292
Tempo de leitura: 2 minutos

Se fosse necessária a criação de uma lista com as figuras de maior influência em toda a história do fotojornalismo no Brasil, o nome de Orlando Brito seria, sem sombra de dúvidas, uma presença obrigatória na relação por conta de toda a sua contribuição em obras e também produção literária.

Porém, infelizmente o mundo precisou se despedir dessa referência na arte do fotojornalismo nesta sexta-feira (11) quando, aos 72 anos de idade, ele faleceu por conta de complicações causadas em deccorência de uma cirurgia no intestino.

Divulgação

Muitos dos mais importantes registros históricos feitos em relação a trajetória politica do país, desde o período pré-ditatorial como também as cerimonias relacionadas a posse de novos presidentes, foram registradas pelas lentes do profissional que atuou em importantes veículos como Última Hora, O Globo, Jornal do Brasil, Veja e também Caras.

Além dos meios de comunicação existentes, Orlando Brito também foi responsável pela produção de seis livros de fotogradia (sendo a obra mais famosa delas Poder, Glória e Solidão) além da fundação da própria agência de notícias, batizada de Obrito News.

Reprodução/Os Divergentes

A carreira de Orlando, como não poderia deixar de ser, também rendeu frutos de caráter internacional, mostrando que o seu talento ignorava fronteiras geopolíticas. Isso porque ele foi contemplado pelo World Press Photo Prize, prêmio concedido pelo Museu Van Gogh, baseado na Holanda, ainda no ano de 1979, por conta da imagem sobre um exercício militar onde soldados precisavam resistir a uma queda de considerável altura após se pendurar em uma espécie de tirolesa. A coletânea em questão foi batizada de “Uma Missão Fatal”.

Apesar de ser bastante conhecido pela atuação na área política, os mais diversos registros daquele que dizia que “a fotografia encontrava o fotógrafo” e não o contrário são possíveis de encontrar relacionados desde o povo indígena até eventos de grandes proporções como, por exemplo, edições de Copa do Mundo ao redor do planeta.

1 comentário
  1. […] público” foram determinantes para o veto do Projeto de Lei que levava o nome do premiado profissional brasileiro da fotografia que nos deixou em março deste […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade