Home»Artigos de Foto e Vídeo»Taxas de Compressão no Vídeo

Taxas de Compressão no Vídeo

eMania
0
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Um dos elementos que podemos escolher quando vamos realizar uma gravação além de resolução, frame e tantos outros sejam em câmeras sejam de vídeo ou DSLR´s é a taxa de compressão. Estas taxas são independentes da questão de “Frame Rate”, resolução e outros itens que envolvem a questão “qualidade do vídeo”. Quanto menor a taxa de compressão, maior densidade de informação teremos no vídeo resultado maior qualidade e possibilidades na pós produção.

A taxa de compressão basicamente é definida por alguns itens: Quantidade de Luminância e Crominância e a Taxa de “Repetição de Frames” (Intraframe ou Interframe).

Estes elementos (Intraframe ou Interframe) foram criados para “facilitar” a possibilidade de criarmos vídeos. Devemos lembrar que cada segundo de vídeo possui uma variação de “frames” podendo variar entre 24, 30, 60, 120 etc… (dependendo é claro da possibilidade técnica de cada equipamento). Se cada “frame” recebesse de forma individual e na sua totalidade toda a “informação” que compõe uma imagem, praticamente seria inviável a criação de vídeo tamanho seria a densidade dos arquivos gerados.

Estas taxas de repetição podem ser definidas basicamente de dois modos:

Intraframe: Trata-se de uma forma onde a construção do frame utiliza toda a extensão da varredura da imagem (baixa compressão). Ou seja apesar do arquivo estar sendo comprimido (codificado) cada frame é construído de forma a preservar todos os elementos em sua construção.

Exemplo utilizado pelas câmeras Canon no modo de compressão “ALL-I”  que possuem a variação do arquivo. Na figura abaixo é possível ver que a imagem é gerada “Frame a Frame”.

Taxas de Compressão no Vídeo

Interframe: Neste proceso os arquivos se tornam menos densos pois existe um complexo processo de criação da imagem na construção de cada frame. Somente alguns “Frames” são criados em toda a sua “amostragem” ( I ). Alguns frames são criados utilizando a variação de frames anteriores e/ou posteriores na sequência do vídeo (Normalmente são os frames do meio  – B ). Outras sequência de frames são geradas “prevendo” a sequência dos frames com relação aos seus pixels.

Taxas de Compressão no Vídeo

Tomando como base a comparação das duas figuras utilizando a relação de compressão utilizado pela Canon (All e IPB) pode se observar que na figura onde a taxa de compressão utilizada foi a IPB somente a partir da mudança dos “pontinhos” de três para quatro pontos é que foi construído um novo frame em sua totalidade (Intra frame)

Encontramos na maioria dos fabricantes a possibilidade de podermos ajustar as taxas de compressão. Estas configurações podem ser ajustadas nos menus das câmeras e cada fabricante costuma apresentar estas variações com nomenclaturas diferentes.

Exemplos:

Câmeras DSLR´s Canon: All e/ou IPB

Câmeras Sony Alfa: XAVC´s, AVCDHD e MP4

Câmeras DSLR´s Nikon: High e/ou Norma.

Lembrando que também as câmeras de vídeo (Ex Camcorders) de diversos fabricantes possuem também este recurso e suas nomemclaturas também alteram entre si.

Desta forma é importante entendermos que:

Se você deseja fazer um bom trabalho de “Pós produção” no seu vídeo com relação a tratamento de cor, brilho, contraste, etc…. O ideal é que esta material seja gravado em “baixa compressão”. Desta forma você terá uma maior amplitude de manipulação destes elementos. Porém lembre-se que este formato de gravação “consome” um volume maior de espaço no seu cartão de memória e também no processo de edição você irá utilizar mais processamento da máquina. No caso da Canon por exemplo uma gravação em baixa compressão ocupa aproximadamente 3x mais espaço no cartão de memória (No modo de alta compressão em um cartão de 16gb você consegue armazenar 64 minutos de gravação na resolução Full HD e gravando em baixa compressão você só consegue armazenar 22 minutos nesta mesma resolução).

Caso você precise gravar uma grande quantidade de vídeos e possui poucas mídias para armazenar o seu trabalho no momento da captação e a sua produção não requer grandes “tratamentos” opte por gravar no modo de “alta compressão”. Ainda assim você terá uma boa imagem e com certeza seu trabalho será bem avaliado.

Lembre-se sempre que independente da taxa de compressão, o bom resultado de um vídeo depende de diversos fatores.

Fica a dica….

Post anterior

O que levar em conta na hora de comprar filtros de lente ?

Próximo post

Dicas sobre a Fotografia Newborn – Para Iniciantes