MULHERES NA FOTOGRAFIA: GERDA TARO, A FOTÓGRAFA DE GUERRA

0 83
Tempo de leitura: 2 minutos

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (08 de março), este mês apresentaremos uma série especial sobre as mulheres que marcaram a história da fotografia. Das grandes fotógrafas às mulheres mais clicadas nas últimas décadas, contaremos um pouco da vida daquelas que contribuíram para nossa cultura visual. Em nossa estreia, a escolhida é Gerda Taro, fotojornalista que registrou a Guerra Civil Espanhola.

Nascida no dia primeiro de agosto de 1910, em Stuttgart (Alemanha), em uma família rica de judeus, Gerda Taro desde cedo começou a apresentar interesse por política e movimentos sociais. Com a disseminação do nazismo, deixa o país de origem e foge para a França.

Na capital francesa, Paris, ela encontra um jovem húngaro também judeu chamado Andre Friedman, que ganhava a vida como fotógrafo, e que mais tarde tornar-se-ia o icônico fotojornalista, Robert Capa. Em 1936, já noivos, Taro e Capa mudam-se para Espanha, com o intuito de cobrirem a Guerra Civil.

A fotógrafa presenciou diferentes episódios da guerra, conviveu com anarquistas nas frentes de batalha e realizou inúmeras reportagens que eram publicadas em revistas como a “Regards” e “Vu”. Todas as experiências vivenciadas durante o conflito marcaram não só Taro como Capa também: ele assumiu uma posição política marxista ela passou a se considerar abertamente anarquista.

Gerda Taro foi uma pioneira na fotografia de guerra. Ela modernizou esse tipo de fotografia, como a conhecemos hoje, junto com seu parceiro Robert Capa e também com David Seymour. Os três procuravam sempre estar perto da ação e munidos com câmeras de 35mm (de fácil transporte). Outro diferencial é que tomaram posições políticas que reverberaram em seus trabalhos:  se reconheceram na condição de emigrantes judeus  contra o ditador espanhol Francisco Franco e seu aliado Adolf Hitler.

Essa proximidade, o risco e o engajamento político e social, permitiram a imprensa ilustrada participar da guerra e da revolução. Do ponto de vista midiático e armamentista, a Guerra Civil Espanhola foi um teste prático para a Segunda Guerra Mundial. E Taro, com certeza, foi um marco na cobertura do conflito, só tendo o seu reconhecimento décadas após a sua morte prematura.

Gerda Taro morreu as 26 anos, em 26 de julho de 1937 de forma trágica: enquanto voltava do fronte de batalha, onde havia capturado algumas imagens, foi atropelada por um tanque de guerra. Sua morte gerou uma enorme comoção entre aqueles que lutavam contra o ditador Franco. Apesar de ter ido embora deste mundo muito cedo, ela deixou um importante legado: o pioneirismo e a excelência na fotografia de guerra e na produção de reportagens especiais.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade