Home»Artigos de Foto e Vídeo»ENTENDA O QUE É O ROLLING SHUTTER!

ENTENDA O QUE É O ROLLING SHUTTER!

eMania https://blog.emania.com.br/content/uploads/2015/05/logotipo.png
eMania
1
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Oi pessoal, espero que todos tenham um ótimo 2016 com muitos projetos realizados! Continuando com a série de posts que eu estou descrevendo o obturador,  neste post eu vou escrever sobre um efeito ou defeito (tudo depende do ponto de vista do videomaker ou filmmaker) relacionado com o obturador, sua velocidade e a leitura do sensor. Eu estou me referindo sobre o rolling shutter!

Antes de começar a explicar o rolling shutter, eu tenho que explicar rapidamente como funciona o sensor de câmera digital. O CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor ), o APS (Advanced Photo System) ou o velho e bom CCD (Charge Coupled Device). São todos dispositivos de carga acoplada e capturam a luz que entra na câmera. A quantidade e a qualidade informações que podem ser capturadas por um CMOS, CCD, ou APS, estão relacionadas ao seus respectivos tamanhos. A imagem produzida pela objetiva é projetada, dentro da câmera, sobre um minúsculo painel de células fotoelétricas (fotodiodos), cada célula corresponde a um pixel este dispositivo, o sensor gera valores diferentes de voltagem para cada pixel, conforme a intensidade luminosa sobre ele. Os sensores possuem fileiras destas células fotoelétricas que convertem a luz em carga elétrica, fazendo uma varredura lendo cada pixel um a um enviando para um processador que constroem a imagem e armazena em algum tipo de armazenamento (mídia).

Muito em breve eu vou escrever mais detalhadamente sobre os sensores os seus tamanhos e todo o processo na captura das imagens.

Voltando para o rolling shutter, como eu expliquei anteriormente o sensor  leva frações de segundo para ler cada fileira de pixels, ao invés  de fazer  de uma vez só. Por isso o rollingshutter, em certas situações pode resultar em imagens com distorções. Isto ocorre porque além da imagem ser escaneada de cima para baixo, certas partes desta imagem são capturadas com atraso uma das outras. O rolling shutter ocorre quando o assunto fotografado e principalmente o gravado sofre mudanças muito rápidas. Simplificando o rolling shutter: o sensor processa a imagem em uma linha de células fotoelétricas de cada vez, enquanto o resto das linhas de células fotoelétricas continuam a receber informação luminosa da imagem. O rolling shutter acaba ocasionando uma pequena desigualdade de tempo acarretando em imagens esticadas, estranhas e no mínimo bizarras! Isto é o rolling shutter, um efeito que faz, uma imagem escaneada e processada por uma linha nunca acontecer no mesmo tempo de outra.

Efeito rolling shutter.
Efeito rolling shutter.

Existem vários softwares que corrigem o rolling shutter. Tanto o Final Cut como o Adobe Premiere possuem plugins que eliminam o rolling shutter. Veja uma demonstração deste plugin “Rolling Shutter” (Foundry) como corrige o rollingshutter de uma imagem:

Abraços! Para todos!!!!

Fernando Rozzo

Post anterior

Os segredos e a magia da fotografia noturna

Próximo post

Como você pode usar a sua criatividade em fotos de montanhas e manter a qualidade?

O Autor

Fernando Rozzo

Fernando Rozzo

Fernando Rozzo trabalha no mercado de vídeo e cinema há 32 anos. Começou sua carreira nos anos 80, fazendo parte de uma das mais importantes produtoras de vídeo de São Paulo, a Olhar Eletrônico, onde trabalhou ao lado de Fernando Meirelles e Marcelo Tas, atuando como câmera, ass.de câmera e programador musical dos programas Olho Mágico (Ernesto Varela) e Cri-Há (Bobmackjack). Em 1987 na TV Gazeta-SP, dirigiu e produziu os programas DJTV, Edição Especial, Clip Trip e Night Clip. Na área de cinema publicitário atuou nas principais produtoras tais como: Chroma Filmes, 5.6, TVC, Vídeo Filmes, O2 Filmes entre outras.
Hoje atua no mercado de cinematografia digital como professor e consultor técnico. Na área pedagógica ministra a mais de 10 anos cursos e treinamentos para emissoras de TV, locadoras de equipamentos, produtoras de vídeo, museus, escolas e faculdades. Entre elas: MASP (Museu de Arte de SP), Mackenzie, Metodista, Fazendo Vídeo Cursos, TVE-Salvador, KN Vídeo-RJ, Studio Motion Treinamentos, Full Digital, JKL, Rentalcam, Bureau Cine e Vídeo.
Entre 2014 e 2015, prestou serviços de consultoria técnica para Sony Latin America para a divulgação no Brasil da linha de câmeras fotográficas "A7 / A7r / A7s / A99 e A77" e para linha de câmeras de ação "ActionCam".
Atualmente juntamente com a artista multimídia Regina de Barros é proprietário da produtora “Ottica AudioVisual”, especializada em documentação e produção de conteúdo no segmento das artes, é a editora da revista multimídia digital mensal:
“Ottica Art Magazine! ”