Como fotografar em ambientes com baixa iluminação sem flash

0 245
Tempo de leitura: 3 minutos

A iluminação ideal sempre que for fazer uma foto é um dos maiores desejos de todos os fotógrafos. Imagina não ter que se preocupar com luzes e equipamentos fotográficos artificiais na hora de clicar a câmera? No entanto, isso quase nunca acontece e a iluminação geralmente é mais baixa do que o necessário.
Fotógrafos amadores, nessas situações, utilizam o flash para compensar a falta de luz ambiente. Em alguns casos, o flash não prejudica a imagem e pode até gerar resultados interessantes, mas na maioria das vezes, o que acontece é o contrário, e os flashes não são recomendados. Além disso, há o caso de proibição do uso do flash, como em teatros e museus – que possuem a iluminação bem baixa. Então, como resolver esse problema?
O fotógrafo tem em mãos alguns recursos que podem ser utilizados para substituir a falta de luz e do flash. Eles vão depender da quantidade de luz no local. Alguns exemplos são o ISO, o uso do tripé e tipos específicos de lentes.

Quando o uso do flash NÃO é recomendado?

Desconsiderando os casos nos quais o flash da câmera é proibido, há algumas situações em que o uso do flash pode deixar a imagem muito escura, ou até mesmo impedir que o fotógrafo atinja o objetivo esperado com determinada fotografia. Um exemplo é a fotografia noturna com neblina: sem flash, o aspecto de mistério é atingido facilmente, já com o flash, esse ar se perde.
Em relação a fotografias com vários objetos e elementos, o flash pode chapar os elementos em primeiro plano e esconder os do fundo.
Outro tipo de foto que não combina com flash é a foto de paisagem. Esse recurso só funciona quando o elemento principal a ser registrado está no primeiro plano e todo o resto não importa tanto na imagem, já que o flash ilumina tudo que está à frente e escurecer tudo que está no fundo.
Isso acontece porque o alcance do flash, apesar de não parecer, é muito curto. Quando esse recurso de iluminação é utilizado, os controles de abertura e velocidade são ajustados para um ambiente muito iluminado, pois a câmera entende que o flash dá conta de iluminar todo o local – quando o que acontece é o contrário.

flash

Então, como fazer boas fotos com pouca luz?

Um risco que o fotógrafo corre quando não utiliza o flash é tremer a câmera e, consequentemente, a fotografia, já que o tempo de exposição é maior quando não se há iluminação.
A velocidade mínima do obturador para uma imagem ficar nítida é de aproximadamente 1/30 de segundo. Para contornar isso, há algumas alternativas. Conheça três delas:

Apoio para a câmera

Para fotografar com pouca iluminação e sem flash, é essencial que o fotógrafo use um apoio para segurar a câmera. Os equipamentos profissionais são o tripé e o monopé, mas pode-se usar algo mais improvisado, qualquer superfície plana e firme.
Se o fotógrafo não tiver nenhuma dessas opções, o jeito é segurar a câmera fotográfica de uma maneira firme, impedindo que ela trema. Para isso, ao invés de segurar a câmera com os braços esticados, deixe-os rentes ao corpo e apoio os cotovelos na cintura. Mantenha as pernas levemente abertas para ajudar no equilíbrio. É melhor ainda se tiver uma parede para se apoiar.

ISO

O ISO é uma ferramenta das câmeras profissionais que configura a sensibilidade do sensor do equipamento à luz externa. Em ambientes mais escuros, o ideal é usar um ISO maior, porque isso pode diminuir o tempo de disparo da câmera, já que quanto maior o valor do ISO, mais luz o sensor capta.
Os fotógrafos, porém, não utilizam sempre esse recurso porque quanto mais o senso fica sensível à luz, mais perda de qualidade de imagem ocorre. As áreas mais escuras da imagem podem aparecer granuladas.

flash

Prefira lentes com o diafragma de maior abertura

Quanto mais aberto o diafragma do equipamento estiver, mais luz passa por ele e por menos tempo. Sendo assim, a velocidade de disparo pode ser maior. As lentes normais, embutidas nas câmeras, não permitem uma abertura grande, por isso, às vezes, é necessário comprar lentes específicas. O ajuste do diafragma é medido em números “F”: quanto menor o número, maior é a abertura máxima.
Portanto, uma lente f/1.8 é considerada mais “clara” do que uma lente f/3.5, já que a sua abertura máxima é maior. Um conjunto de lentes 18-55mm, que normalmente vem com as câmeras dSLR, tem a abertura entre f/3.5 e f/5.6 e não é considerado uma lente clara.
Para comprar uma lente  fotográfica com maior abertura máxima, é preciso estudar o orçamento e o objetivo que você tem com o seu equipamento, já que quanto maior for a abertura máxima, mais cara é a lente.
Em conseqüência de uma lente com maior abertura, considerada melhor para fotografias com baixa iluminação, o rendimento de trabalhos fotográficos pode ser maior, dando mais lucro ao fotógrafo. Por isso que, apesar do preso mais caro, o investimento pode ser vantajoso e gerar melhores resultados de produção.
Nas câmeras compactas não há a possibilidade de troca de lentes, porém em alguns modelos, ainda é possível ajustar a abertura do diafragma. Em situações com pouca luz, utilize essa configuração manual.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade