Os grandes fotógrafos da história: Henri Cartier-Bresson

2 1.137
Tempo de leitura: 2 minutos

O Dia do Fotógrafo ou Dia Nacional da Fotografia é comemorado anualmente em 8 de janeiro, por isso, esta semana faremos uma série especial sobre os melhores  fotógrafos e fotógrafas de todos os tempos – intitulada “os grandes fotógrafos da história” – de acordo com as principais publicações sobre o assunto. Para abrir a série, começaremos com um fotógrafo muito lembrado em nossos posts aqui no blog: Henry Cartier-Bresson, um pintor francês que se converteu à fotografia.

Nascido na região francesa de Chanteloup-en-Brie, em 1908, em uma família rica de industriais, Henri Cartier-Bresson ganhou sua primeira câmera fotográfica ainda criança. Porém, só descobriu a paixão pela fotografia em uma viagem que fez à Africa, aos 22 anos.

Em 1931, ao ver uma fotografia mostrando três rapazes correndo em direção ao mar, do húngaro Martin Munkacsi, publicada na revista Photographies, que Cartier-Bresson descobriu verdadeiramente a fotografia. Tal imagem o inspirou:

“A única coisa que era uma surpresa completa pra mim e me levou à fotografia foi o registro de Munkacsi. Quando eu vi a fotografia dos meninos negros correndo em direção à onda, eu não pude acreditar que tal coisa poderia ser captada por uma câmera. Peguei a câmera e fui para as ruas. (…) De repente eu entendi que a fotografia poderia captar a eternidade instantaneamente” – disse Cartier-Bresson durante uma entrevista.

Após esse episódio, adquiriu a câmera que o ajudaria eternizar aquilo que seus olhos viam: a famosa Leica com lente de 50mm. Pequena, ela permitiria que o fotógrafo registrasse nas ruas momentos variados sem que as pessoas percebessem que estavam sendo fotografadas.

Desde então, passou a vaguear as ruas, capturando vislumbres de vida, cenas que até podiam ser corriqueiras, mas, que aos olhos de Cartier-Bresson, tornavam-se verdadeiras obras de arte. Ele usava filme preto e branco e, raramente, fazia uso do flash. Apesar de amar a fotografia, não gostava de ser fotografado.

Durante a Segunda Guerra Mundial, teve sua carreira interrompida: serviu o exército francês. Foi capturado por soldados alemães e considerado prisioneiro de guerra. Tentou fugir sem sucesso duas vezes. Na terceira, se escondeu em uma fazenda e conseguiu documentos falsos para voltar à França. Lá, ajudou secretamente  outros prisioneiros, além, é claro, de registrar a ocupação e a liberação do pais no fim da guerra.

Em 1947, junto com os fotógrafos Robert Capa, George Rodger, David Seymour e William Vandivert, fundou a famosa Agência Magnum Photos, uma espécie de cooperativa de fotógrafos, influenciando o surgimento de outras ao redor do mundo.

As fotografias de Henri Cartier-Bresson são consideradas obras primas, visto que retratam os detalhes da vida, daqueles despercebidos no cotidiano. Seu legado para fotografia é imensurável. Com a sua observação “incomum” sobre a fotografia, eternizou-se em seu conceito do “instante decisivo”, o momento exato na qual uma foto é tirada. Em suas palavras: momento que “se alinha a cabeça, o olho e o coração” para conseguir a fotografia.


Henri Cartier-Bresson,  grande mestre da fotografia do século 20, morreu em 2004 aos 95 anos de idade em Isle-sur-la-Sorgue. Fotógrafo humanista, deixou o legado de um olhar aprofundado sobre a condição humana, tão representada lindamente em suas fotos.

2 Comentários
  1. […] e a criação da Agência Cooperativa Magnum, em 1947, fundada por grandes nomes da fotografia como Henri Cartier-Bresson, Robert Capa, David Seymour e George Rodger, que criaram uma forma nova de fazer e comercializar a […]

  2. […] Aqui mesmo já fizemos um texto ainda mais detalhado sobre essa lenda nascida no ano de 1908. Se quiser conferir mais detalhes, clique aqui. […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade