Home»Dicas de Fotografia»O mito da Regra dos Terços | Fotográfia

O mito da Regra dos Terços | Fotográfia

eMania
13
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

As regras de composição podem ser bem polêmicas na fotografia profissional. Para a maioria dos fotógrafos, esta frase parece muito formal, sugerindo que um assunto tão complexo como a composição fotográfica pode ser resumido a algumas dicas rápidas.

Assim, em uma tentativa de expor todos os mitos que rondam este tema, neste artigo vamos apresentar algumas das lições mais básicas da escola de fotografia na composição: a regra dos terços.

Um breve aviso: a regra dos terços pode ser frustrante mais do que provavelmente deveria, então, neste artigo você vai encontrar a regra dos terços de forma útil, mas, por favor, não tome este artigo como um ataque em seu estilo de composição. Todo mundo é diferente, e eu apoio sem reservas qualquer método que ajuda a tirar as fotos que você gosta.

1)   O que é a regra dos terços?

A maioria das pessoas que leem este artigo já sabe sobre a regra dos terços. É simplesmente uma grade que divide um retângulo em nove partes iguais, como mostrado abaixo:
regra dos terços

A regra dos terços pretende ser um guia para a composição de sucesso , ela sugere que você coloque o assunto junto a uma das quatro linhas, ou, idealmente, em um dos quatro pontos de interseção.

2)   A regra dos terços forçada
regra dos terços

É fácil de analisar certas fotos para detectar a presença da regra dos terços, especificamente, aquelas com um assunto relativamente pequeno e óbvio. Se você tirar uma foto de um pássaro isolado no voo, por exemplo, deve ser muito fácil dizer se o pássaro (ou talvez o olho do pássaro) cruza com alguma das grades da regra dos terços.

Muitas vezes, porém, você pode acreditar que o seu tema é grande demais para caber definitivamente na grade, mesmo que tecnicamente atravesse um dos terços. Esta questão parece ser mais comum para a fotografia de paisagem ou fotógrafos arquitetônicos que lidam com grandes temas ou objetos, menos definidos, mas certamente afeta todos os gêneros.

O que acontece se você está fotografando uma cena abstrata ou multi assunto? Será que é mesmo possível compor uma foto usando a regra dos terços? Realmente, pode ser muito difícil se o assunto não é relativamente pequeno ou bem definido, é quase impossível dizer se ele se encaixa na regra dos terços, em primeiro lugar.

A regra dos terços complica sua vida como fotógrafo, especialmente, quando o tema principal da imagem não pode ser enquadrado nela, mesmo que outras áreas da imagem se cruzam com qualquer linha vertical traçada através do quadro.

Este não é um problema particularmente incomum, quase todas as vezes que você tirar uma foto grande angular de uma floresta, a regra dos terços pode ser feita para caber a cena de forma arbitrária e confusa.

3)   A regra das rosquinhas irregulares
regra dos terços roscas

Na seção acima, discutimos o quão fácil é forçar uma foto para caber na regra dos terços, assumindo que o seu objeto é grande ou vago o suficiente. Mas e se o tema é facilmente definível, e está apenas fora de uma das linhas?

Há uma linha tênue entre a regra dos terços do que parece ser a regra dos terços, quanto mais longe das marcações de 1/3 você colocar o tema principal da foto, sua imagem ficará menos evidente ao utilizar esta regra e gerar uma certa confusão.
regra dos terços

Regra das rosquinhas irregulares

Para ter esta flexibilidade, a regra modificada da grade dos terços recomenda que você coloque o assunto na zona vermelha. Também chamada de regra dos terços borrão ou rosquinhas irregulares, indica posicionar o seu tema mais ou menos dentro da área vermelha em forma de anel.

Desta forma, você não deve ter problemas para convencer outros fotógrafos que sua foto segue a regra dos terços.

4)   Exceções para a regra dos terços
regra dos terços

Toda regra deve permitir exceções, caso contrário à vida se tornaria muito chata, não é? O mesmo acontece com a regra dos terços!

Às vezes, você vai querer compor sua foto de uma maneira que não se encaixa na regra dos terços. Está bem! Como fotógrafo, você tem a palavra final na aparência de sua foto. Não tenha medo de quebrar as regras, se sua foto parece melhor de uma forma diferente.

A mesma coisa é válida para a regra das rosquinhas irregulares, geralmente, você seria recomendado a colocar o tema principal da foto dentro de um destes círculos. Mas, se a foto parece melhor de alguma outra forma, não tenha medo de abandonar a regra.

Talvez a parte genial da regra dos terços é que você pode colocar o assunto onde desejar no seu quadro. Neste caso, devemos concordar com ela completamente.

5)   Superar a Regra

regra dos terços superar

Alguns fotógrafos defendem a regra dos terços, dizendo que é uma ferramenta de aprendizagem útil para iniciantes, porém, ao longo do tempo, bons fotógrafos vão parar de confiar nela para compor suas fotos. A sugestão aqui é aprender a regra dos terços, então, abandoná-la mais tarde.

De todos os argumentos sobre a regra dos terços, está uma delas que você deve prestar muita atenção. Em algum nível, a regra dos terços é uma maneira fácil para começar na fotografia, especialmente, para ver o poder de compor um assunto fora do centro.

Certamente, a maioria dos iniciantes enquadram suas fotos com composições firmemente centradas, por isso, a regra dos terços ajuda a esses fotógrafos a perceber que enquadrar o assunto fora do centro, pode parecer tão, ou mais bonito do que você provavelmente imagina.

Por outro lado, se você quer ensinar aos fotógrafos iniciantes que composições não centralizadas podem ser bonitas, porque não apenas dizer isso? Já que a regra dos terços é um intermediário entre os novatos e os seus conhecimentos de composições descentralizadas, não vejo por que é necessário dar tantas voltas para se chegar a um único objetivo.

Ajudar os iniciantes a pensar criativamente não é uma tarefa fácil, mas qual método seria mais eficaz, ensina-los a assumir a regra dos terços baseadas em fotos ou dizer-lhes para tirar fotos em que o tema está fora do centro? Ambos teriam um efeito semelhante, mas um é muito mais limitante do que o outro.

Assim, ao invés de ensinar os fotógrafos iniciantes a superar a regra dos terços, porque simplesmente não incitá-los a nem aprendê-la? Particularmente, a regra dos terços pode ser complicada demais para entender e, principalmente, para abandonar ela mais tarde.

6)   A proporção áurea
regra dos terços aurea

Toda essa conversa sobre a regra dos terços, e eu ainda tenho que mencionar seu primo infame – a proporção áurea. A proporção áurea de 1,618: 1 é uma aproximação do seguinte:

½ (1 + √ 5 )

Este número é importante porque a sequência de Fibonacci, onde cada número subsequente é a soma de dois anteriores: 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, e assim por diante. Se você dividir um determinado número de Fibonacci pelo anterior, você se aproxima da proporção áurea. Por exemplo, 89/55 para 1.618.

Algumas pessoas dizem frequentemente que a regra dos terços é uma simplificação desta proporção áurea, é por isso que “funciona”. Mas, será mesmo? Vamos ver dois pontos que são capazes de alterar o seu ponto de vista sobre.

Um: se a regra dos terços é uma aproximação da proporção áurea, não é totalmente infalível.

Em sua Câmera DSLR as grades de composição dividem o quadro em terços, em vez de da proporção áurea, para não mencionar que esta grade adicional torna a composição ainda mais complexa e ambígua.

Dois: ela provavelmente não significa nada mesmo.

Eu sei que esta questão é controversa. Afinal, a proporção áurea aparece na natureza o tempo todo, certo? E se os gregos usavam este número como base para o Parthenon, ela deve ter algum valor intrínseco.

Infelizmente, a resposta é que provavelmente não.

Como exemplo, considere duas das reivindicações mais populares da proporção áurea: ela aparece em espirais galácticos e escudos do nautilus. Embora ambos os exemplos normalmente seguem a espiral logarítmica, a proporção áurea é apenas um único caso especial desta expansão, raramente são os ângulos específicos em galáxias ou conchas as mesmas que as da espiral dourada, em parte porque as galáxias e conchas já diferem entre si.

Se galáxias espirais não têm os mesmos ângulos, como poderiam ser modeladas na proporção áurea? Os detalhes são demasiadamente específicos para cobrir aqui, mas você pode ler mais informações sobre espiral logarítmica no Wikipedia.

A proporção áurea é uma lei matemática interessante, mas não vejo nenhuma razão para ter qualquer efeito sobre a percepção humana de beleza natural, considerando que ela não aparece no mundo natural frequentemente.

Até mesmo o Parthenon não incorpora a proporção áurea, apesar das fotos que você pode ter visto. É possível sobrepor quase todo o retângulo sobre o Parthenon e afirmam que magicamente se adapta à sua proporção desejada. Há bastante “pontos de partida” ao longo do Parthenon, mas o retângulo mais óbvio tem um rácio de exatamente 9: 4, ou 2.25. Isto está longe de ser a proporção áurea de 1,618 que você conhece, concorda?

Vale ressaltar, porém, que a proporção áurea é apresentada em alguns cantos do mundo natural, ou, pelo menos, a sequência de Fibonacci. Por exemplo, quando uma folha espiral em torno de uma haste, que muitas vezes faz em uma fração de um círculo que pode ser expresso por dois números de Fibonacci – como 1/2 ou 5/13. Mas, mesmo assim, esta espiral não é a mesma coisa que a proporção áurea, ela utiliza apenas dois números da mesma sequência.

As espirais em geral são bonitas, o que torna fácil supor que trata-se da proporção áurea, sem dúvida, por seu aspecto agradável. Mas, você deve concordar que há uma grande diferença entre elas e nenhuma prova concreta de seu funcionamento.

Ironicamente, a regra dos terços aparece na natureza muito mais frequentemente e são mais comuns do que todos os outros, pelo menos em animais. Será que isso significa que a proporção de 1/2 é inerentemente mais bonita do que a razão de, por exemplo, 17/23? Honestamente, não há certeza se isso é mesmo uma questão lógica.

7)   Conclusão
regra dos terços

Sim, claro, todo este artigo é um pouco técnico demais. Cada fotógrafo entende que o valor de uma foto não tem nada a ver com o quão bem ela corresponde a uma grade arbitrária dos terços, e eu ficaria surpreso ao encontrar alguém que acredita no contrário. Da mesma forma, eu sei que a maioria das pessoas concorda que a melhor maneira de compor uma foto é conhecendo as alterações dependendo da cena específica na frente da câmera digital.

O perigo é que os fotógrafos usam a regra dos terços, por padrão. Este hábito abre o caminho para composições desleixadas, colocando o assunto para o lado, mesmo quando uma composição centrada seria melhor, por exemplo. Apesar de todos os fotógrafos conhecerem que a regra pode ser quebrada, alguns raramente colocam esse conhecimento em prática.

Assim, acredito que é uma ideia ruim a longo prazo ensinar a regra dos terços como uma pedra angular da composição. Talvez a regra dos terços possa mostrar a um iniciante o poder de moldar fora do centro, mas perde o seu valor no momento em que ele limita o processo criativo de um fotógrafo, que ocorre sempre que você considera ativamente usar a regra para uma determinada foto ou não.

A regra dos terços pode fazer você querer segui-la ou quebrá-la conscientemente, o que limita a sua criatividade quase por definição.

Quero ver alguém ensinar composição básica, sem mencionar a regra dos terços, como se ela não existisse. Embora seja bom pensar que você pode melhorar suas composições através de um truque simples como este, um reparo fácil nunca funciona realmente em longo prazo.

Eventualmente, vá além das noções básicas de composição, você não terá nenhuma escolha para vaguear no intangível. Então, por que dificultam esse processo com as regras de redução de criatividade?

Se tudo isso não é um argumento suficiente, considere este ponto final: a regra dos terços é a melhor maneira para compor suas imagens como todos os outros. Mesmo que a regra não tenha propriedades especiais, o valor da criatividade visual desinibida é impossível de ignorar.

Você concorda ou discorda? Deixe o seu comentário sobre o tema e como utiliza a regra dos terços em seu trabalho, no campo abaixo.

Post anterior

Sphericam 2: a "esférica" câmera profissional

Próximo post

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CMOS E CCD?