A trajetória da fotografia até a arte

0 1.027
Tempo de leitura: 6 minutos

A história em torno do processo fotográfico é recheada de dúvidas e incertezas.  Após muitas tentativas, a fotografia foi, finalmente, declarada uma invenção em 1839. E foi neste período que o seu papel dentro da arte começou a ser discutido – debate que dura até hoje. Na época, diversas publicações europeias e americanas examinaram o assunto para entender melhor a importância e o impacto dessa novidade.

A fotografia começou a se popularizar em meados do século XIX, o que gerou uma transformação no comportamento em relação a esse meio de expressão. Entre 1840 e 1850, as técnicas começaram a ser aprimoradas, trazendo uma série de experimentos e avanços estéticos. Nesse cenário, a ideia de que uma fotografia poderia ser considerada arte e que fotógrafos poderiam ser artistas – aqueles vindos de classes sociais mais baixas, principalmente – parecia absurda para alguns. Boudelaire, o conhecido pensador francês, chegou a declarar que a fotografia era “o inimigo mais mortífero da arte”. Outros críticos, como o inglês John Ruskin, acreditavam que a fotografia não tinha nenhuma relação com a arte e que jamais iria substituí-la. Esse pensamento reduzia a fotografia ao simples funcionamento do seu dispositivo técnico que, simplesmente, usava a luz para registrar partes da realidade. Foi aí que surgiu o conceito de fotografia-documento: uma cópia mecânica do real que substituia o pincel do artista. Até então, as perspectivas renascentistas estavam presentes em imagens geométricas.

Algumas figuras destacaram-se por rejeitar essa visão severa, e começaram a considerar a fotografia como uma forma de criar complexas misturas de imaginação e realidade. Julia Margaret Cameron (1815-1879) é um exemplo disso. A fotógrafa começou a sua carreira aos 48 anos de idade, e criou uma obra extensa com propósitos puramente estéticos. Ela utilizada fantasias, objetos cênicos e foco diferencial , criava retratos com bordas desfocadas e tons quentes, realizou estudos inspirados em temas bíblicos, literários e alegóricos. Seu trabalho era tão ousada que ela foi rotulada pela própria comunidade fotográfica como uma excêntrica incapaz de utilizar uma câmera corretamente.

A recusa da fotografia como arte era tão enraizada que a organização da Exposição Internacional de Londres de 1862 recusou-se a exibir fotografias na mesma sala dedicada às obras de arte, expondo-as na seção de equipamentos mecânicos.

Foi somente com o surgimento do movimento pictorialista, na década de 1890, que o papel subjetivo da fotografia começa a ganhar espaço reconhecido. O pictorialismo começou na França, na Inglaterra e nos Estados Unidos, e reuniu fotógrafos com o objetivo de produzir aquilo que chamavam de fotografia artística. Os simpatizantes passaram a dar às suas fotos um aspecto de pintura no esforço de terem suas obras vistas como arte.

A foto pictorialista era caracterizada pelas técnicas e efeitos das artes gráficas, trazendo ao observador tons vibrantes e aparência desfocada. Pretendia provocar. Muitas das composições retratavam a gravidade artística do simbolismo contemporâneo como a icônica “A harpa eólica” de 1912 por Anne Brigman.

Um dos nomes mais influentes no movimento da fotografia como arte foi Alfred Stieglitz (1864-1946), um americano que mantinha uma estreita relação com a Europa. Ele dirigia a revista Camera Work, que publicava o que se fazia de melhor em termos de fotografia artística em todo o mundo. A terceira classe (1907), publicada na Camera Work em 1911, é considerada a primeira fotografia moderna.

A possibilidade da fotografia ter a sua estética própria e aproveitar qualidade específicas do suporte foi extremamente atrativa para muitos fotógrafos americanos: Edward Weston com natureza-morta e seus nus quase abstratos, e Ansel Adams com suas paisagens líricas dominariam a fotografia artística americana por um longo período.

Do outro lado do Atlântico, a Primeira Guerra Mundial gerou um impacto profundo na produção artística. Insatisfeitos, muitos artistas tentavam desenvolver técnicas de expressão pictórica para exprimir a crise de fé nos valores tradicionais decadentes nesse período de conflito. Foi aí que as primeiras fotografias que invocavam o tempo, o espaço e outros aspectos abstratos foram realizadas, e esse espírito radical para a inovação foi a inspiração da produção artística de vanguarda a partir de 1920. A fotografia começou a ser usada pelos dadaístas alemães em obras repletas de críticas sociais, pelos construtivistas da União Soviética para desenvolver novos estilos para uma nova sociedade, por surrealistas como Man Ray, e por modernistas de todo o mundo que celebravam as mais diversas formas de arte e design. Ela passou a ser vista como um meio de comunicação visual ótimo para a era moderna.


O Museum of Modern Art de Nova York (MoMA) foi a base ideológica do modernismo – o movimento de vanguarda dominante na primeira metade do século XX, que incluía arte, design e arquitetura. O MoMA realizou uma importante exposição fotográfica em 1937, e em 1940, inaugurou seu próprio departamento de fotografia. Contudo, só com John Szarkowski (1925-2007) no posto de curador fotográfi co do MoMA em 1962 que a fotografia foi incluída de forma definitiva ao modernismo. Para ele, a legítima fotografia era “direta” e democrática no que dizia respeito aos seus temas e possuía um forte componente formal. Fotografias não eram obra da imaginação, mas fragmentos da realidade organizados para refletir um ponto de vista pessoal.

E assim, a partir da década de 1960, com o pós-modernismo, os último obstáculos são derrubados, abrindo espaço para a fotografia explorar as possibilidades de expressão, aproveitando-se da expansão dos meios de comunicação e da consolidação da cultura de massa. Nesse período, surgem distintas correntes artísticas, como a pop art e o minimalismo que também beneficiam a expansão da fotografia.

Aqui, a fotografia assume o seu papel de codificação e significação cultural, vence o sentido  de simples mecanização do seu equipamento e conquista o seu tão almejado lugar no cenário artístico. Grande parte dessa credibilidade da fotografia veio graças ao trabalho do norte-americano William Eggleston.

A FOTOGRAFIA NO BRASIL

Por aqui, a fotografia como arte começa a aparecer por volta de 1939 com a organização dos primeiros fotoclubes que introduziu o modernismo à fotografia brasileira e revelou toda uma geração de artistas como German Loca, Geraldo de Barros e Thomaz Farkas. O processo fotográfico era baseado na experimentação, como fotomontagens, colagens, e intervenções diretas no negativo. O dadaísmo e o surrealismo foram de grande influência para esse artistas que experimentavam a justaposição e processos alternativos para abrir espaço para significados múltiplos e desconstruindo a fotografia como representação do real.

Com o golpe militar de 1964, a fotografia voltou-se novamente para o campo da fotorreportagem e a expressão autoral ficou inibida. Nesse período, apenas poucos fotógrafos insistiram em manter a auto expressão em suas imagens, como Anna Bella Geiger e Miguel Rio Branco. A retomada definitiva só ocorreu com a redemocratização, mas com um redirecionamento contemporâneo na arte de maneira geral.

Nos anos 90, as ideias pós-modernistas progrediram no país e a fotografia passou a ser usada no processo criativo. Inclusive, o tema passou para o âmbito acadêmico. Em 2002, o Ministério da Educação aprovou o primeiro curso de bacharelado em fotografia, criado pelo Senac de São Paulo. Hoje, há cursos de graduação e de pós-graduação por todo o país, o que permite o desenvolvimento de uma gama extensa de trabalhos artísticos com sólidas bases na pesquisa e estudos.

E ONDE ENTRA O FINE ART NESSA HISTÓRIA?

Com essa trajetória e sua consolidação como arte, surge a fotografia Fine Art. A expressão por si só já é velha conhecida do meio fotográfico. É utilizada tanto para designar um processo de impressão extremamente especializado quanto para denominar o circuito de exposições fotográficas e o emergente mercado dos colecionadores de fotografia. Não obstante, há mais um emprego para esse termo: refere-se à prática da fotografia sem viés comercial, baseada estritamente na experiência pessoal do autor, permitindo um tom fantasioso e lúdico nas produções.

Explicar como surgiu essa fotografia mais autoral não é tarefa fácil. A expressão raramente é usada em textos sobre fotografia contemporânea ou mesmo de história da arte,  os pioneiros do estilo não são prontamente encontrados e o próprio termo, que se tornou bastante popular na era digital, aparece sem distinção aparente em diversos sites e redes sociais.

Embora o termo seja comum, a aplicação desse estilo pena para ser compreendida. Dentre os fotógrafos que se denominam “fine art”, destaca-se uma grande parte que trabalha com a construção de narrativas,e usam as imagens para contar história. Outro considerável grupo, também, é inspirado na pintura. E por último, nota-se, de maneira crescente, um preocupante número de fotógrafos que utilizam o termo, de forma completamente equivocada, para sofisticar seus trabalhos.

Prestando um pouco mais de atenção a esse contexto – considerando o uso adequado do termo – , pode-se identificar conexões com correntes melhor estudadas, o que permite um maior entendimento da fotografia fine art no cenário contemporâneo.

Fotógrafos de diferentes linhas de atuação vêm descobrindo esse universo e notando as possibilidades que o estilo fine art pode trazer aos seus trabalhos, inclusive para a fotografia comercial, mas a falta de um referencial teórico sólido – especialmente no Brasil – dificulta o estudo e desvirtua significados.

Pensando nessa dificuldade de entendimento sobre o verdadeiro significado da fotografia Fine Art, o Instituto Internacional de Fotografia (IIF), em parceria com a fotógrafa Danny Bittencourt, desenvolveu o Photo Inspiration, o primeiro congresso internacional de fotografia artística.

Criado a partir da vontade de expandir a discussão no âmbito da fotografia como arte, o Photo Inspiration vem com o principal objetivo de colocar a fotografia em um lugar mais comum e acessível. O evento busca estabelecer um paralelo entre os conhecidos segmentos da fotografia como o fotojornalismo, fotografia documental, paisagem, arquitetura e retrato como linguagem para um campo de expressão autoral.

Serão dois dias nesse universo.  Nos dias 23 e 24 de Janeiro/2018, nove palestrantes, especialmente escolhidos,  dividirão com o público suas experiências, conhecimento e impressões sobre esse mercado tão rico de possibilidades.

Acesse o site para mais detalhes: https://photoinspiration.com.br/

Para dúvidas ou informações, entre em contato com os organizadores pelo e-mail eventos@iif.com.br ou pelo telefone (11) 3021-3335

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade