Home»Artigos de Foto e Vídeo»Vinícius Porto e a fotografia na contemporaneidade

Vinícius Porto e a fotografia na contemporaneidade

eMania https://blog.emania.com.br/content/uploads/2015/05/logotipo.png
eMania
5
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Vinícius Porto é fotógrafo, vive em Anápolis, teve seu primeiro contato com fotografia há mais de 15 anos atrás. “Na época os celulares não tinham câmera […] Eles vendiam um acessório para colocar no celular e você tirava fotos, eu ficava me achando”, Vinni disse na nossa ligação.

“Depois comecei a trabalhar como fotógrafo de balada. Eu ia, todo final de semana, para algumas festas, e aí eu tirava foto das pessoas, e eu achava legal tirar foto das pessoas num momento íntimo delas. Elas estavam felizes, com os amigos, se divertindo”, contou antes de eu perguntar se ele ainda tinha esses registros, Vinni replica que não tem mais porque as pessoas não tinham o hábito de pôr as coisas na nuvem.

Mais tarde, Vinícius Porto foi descobrindo o prazer em fotografar comidas. “No caso de alimentação, é o que eu mais faço hoje, tirar fotos de coisas gostosas, e fashion. Quando eu estou oferecendo um produto, eu preciso que a pessoa crie um relacionamento com ele, e na maioria das vezes é um relacionamento muito rápido por ser nas redes sociais”.

“Ao mesmo tempo que eu preciso ter um relacionamento muito duradouro com as fotos para fazer uma foto boa, no final das contas, o relacionamento da foto com o cliente vai ser muito rápido”

Foto por Vinícius Porto.

A importância de ter um fotógrafo como inspiração

Segundo Vinícius, a fotografia é muito o seu olhar, o que dá a identidade da sua fotografia é como você tira a foto. É algo muito único, mas é muito importante você abrir os horizontes; às vezes você fica tão focado no seu olhar, que não se aperfeiçoa.

“Eu gosto muito de acompanhar os editoriais da Vogue […] porque eles são muito criativos, eles pegam uma coisa bem banal e transformam num photoshoot muito espetacular, em especial a Vogue Itália. Gosto muito da Vogue Itália. E, gosto muito de ver o trabalho jornalístico do fotógrafo do O Globo.”

“Gosto muito de Karly Marques, e Guilherme Rossi […] ele transforma um lugar que é aparentemente feio. Às vezes a gente pensa que não tem nenhum lugar bacana para tirar foto, mas pega um pedaço da cortina, um pedaço da planta…”, soa Vinni.

Estudar fotografia?

Vinícius concorda que não é preciso estudar fotografia no sentido de livros pesados, aquelas velhas teorias pouco úteis. Isso pode até servir para um debate, ou algo similar. Aprende-se mais na prática, com o erro e a tentativa. A teoria seria um adicional, sobre entender um pouco mais sobre o antes da fotografia; “A fotografia impressa e afins não é tão velha, não é? Então, basicamente, não temos um ‘antigamente’ na fotografia”.

A explosão do Instagram, do Tumblr e do Flickr, ou das redes sociais no geral, trouxe uma banalização à fotografia?

“Na verdade, trouxe mais fotógrafos amadores. Hoje com 500 reais você compra um celular intermediário que faz umas fotos satisfatórias, e você não precisa de um equipamento caro para fazer fotos profissionais […] se você tiver uma boa criatividade, uma boa perspectiva.”

“Lembrei de um caso, de uma cliente que eu fiz um ensaio de gestante em um determinado lugar que tinha um pôr do Sol muito bonito. E aí, eu estava fazendo umas fotos dela, e o marido dela chegou e tirou uma foto do pôr do Sol. Ele tinha um celular top de linha de determinada marca […] e ele gostou muito do resultado, e postou”.

“[…] Tanto que no meu Instagram eu ensino as pessoas a tirarem boas fotos com o celular”.

AUTOCRÍTICA: Por exemplo, na Era Vitoriana, você tinha fotografia como algo difícil de se executar, então era um trabalho valorizado, custava caro. Hoje, uma foto está a um clique de distância, por consequência, se você diz que quer ser fotógrafo, é bem provável que você seja zombado. O relacionamento da sociedade com o fotógrafo mudou muito.

Premiações de fotografia: importam?

A premiação, segundo Vinícius Porto, ajuda a trazer mais visibilidade, assim como uma premiação de cantores: se a música for boa, as pessoas vão ouvir, a premiação dará mais visibilidade à música.

“Se você quer que suas fotos sejam levadas a sério, vá além de apenas uma nova perspectiva, transmita sentimentos”

Vinícius Porto

Comente

Post anterior

O mundo em imagens! Veja fotos incríveis do dia 21 de fevereiro de 2019

Próximo post

Itens da arte iorubá serão expostos no Rio de Janeiro

O Autor

Luís Henrique

Luís Henrique

Estudante, trabalhei na Redação de alguns sites brasileiros, produzi visuais, e executei fotografias temáticas de 2013 a 2017.