Home»Artigos»Panavision 70mm usada em novo filme de Tarantino

Panavision 70mm usada em novo filme de Tarantino

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

O retorno do uso de película em filmes terá seu maior impulso com o novo filme do defensor da celulóide: Quentin Tarantino. Este é chamado “The Hateful Eight”, no qual é usada uma Panavision Ultra 70 para filmar essa história de libertação na pós-Guerra Civil ocidental nos EUA.

Filmado em 65 milímetros com lentes Panavision clássicas na mais vasta proporção de aspecto, 2,76: 1, esta é a primeira película anamórfica 70 milímetros lançada nos cinemas em quase 50 anos.

“The Hateful Eight”, também coloca o cineasta três vezes premiado com o Oscar, Robert Richardson (“Hugo”, “O Aviador”, “JFK”), em um “batalha” com Emmanuel “Chivo” Lubezki, que também vai para seu terceiro Oscar com sua própria aventura num congelado deserto, “The Revenant”, do diretor  de “Birdman”, Alejandro G. Iñárritu.

Richardson proclamou que a Ultra Panavision 70 mais do que reforça a noção de que o filme pode coexistir com o digital: ela fornece um incomparável alcance, resolução e beleza que todos deveriam usá-la. “Quando vimos Sam Jackson em um close up – ou qualquer um – é incrível. Nós não utilizamos difusão, os únicos filtros que usamos foram em cenas externas”.

Inspirando-se em filmes como “Stagecoach”, “The Desperate Hours” e “And Then There Were None”, o nono filme de Tarantino coloca oito passageiros juntos uma década após a Guerra Civil em Wyoming. Mas uma tempestade de neve amarga os impede de chegar ao Red Rock, onde o caçador de recompensas John Ruth (Kurt Russell) tem a intenção de trazer a fugitiva Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh) à justiça. O conjunto também inclui Walton Goggins, Demian Bichir, Tim Roth, Michael Madsen e Bruce Dern.

A muito tempo sem Panavision

panavision

De acordo com Dern, Tarantino “tem a maior atenção ao detalhe em um jogo como qualquer diretor que já viveu, o seu único rival seria Luchino Visconti. Ele cria uma atmosfera para todos nós, não para fazer a nossa maior obra necessariamente, mas para ficar melhor. ”

A última versão Ultra Panavision 70 foi “Khartoum” (1966), o filme biográfico com Charlton Heston como British general Charles Gordon. A lista também inclui “Ben-Hur”, “Mutiny on the Bounty”, “It is a Mad, Mad, Mad, Mad World”, entre outros.

Na verdade, a Panavision levou Tarantino para uma sala de triagem e o surpreendeu com a corrida de bigas de “Ben-Hur”, começando com os lados com a largura normal e, em seguida, espalhando-se para expor o quadro completo – e o cineasta ficou totalmente viciado em Panavision Ultra 70.

Mas tudo isso começou acidentalmente: “Nós pensávamos que a gente ia filmar em um  formato padrão para 65 milímetros e um dia eu estava com Gregor Tavenner, meu assistente de câmara, e Dan Sasaki [Panavision vice-presidente de engenharia óptica] mostrando para gente as lentes padrão Panavision para 65 milímetros e ao olhar para eles, eu bisbilhotei por trás da cortina e vi esta prateleira cheia com lentes de forma estranha [triangulares com prismas]. Eles eram lentes Panavision Ultra “, disse Richardson.

Primeiro veio o teste por Richardson em temperaturas de congelamento, em locações em Telluride, Colorado, que iriam beneficiá-los visualmente, com excelentes vistas para a montanha. Panavision teve que reconfigurar e aplicar novos revestimentos em 19 lentes para puxar foco. A Panavision também fez películas de 700 metros para as câmeras do filme acomodar a propensão de Tarantino em fazer takes longos.

panavision

A equipe trouxe uma abordagem muito analógica para filmar em Telluride (com poucas nevascas e raros dias nublados) e no palco do Red Studios de Los Angeles, onde eles baixaram a temperatura para 30 graus Fahrenheit (algo em torno de -10ºC). Eles examinaram as filmagens diárias em 70 milímetros, sem intermediário digital, e o filme está a tendo sua correção de cor de maneira fotoquímica (old school) por FotoKem.

Devido à natureza claustrofóbica, com baixa iluminação do filme, o uso de ultra Panavision foi realmente contra intuitivo. Mas Tarantino não estava prestes a negar esta rara oportunidade histórica. Em um jogo inteligente de esconde-esconde, ele usou o quadro para mostrar deliberadamente mais ou menos quando ele queria obscurecer informações de caráter crucial e no final criar uma experiência única.

Comentários

comentários

Post anterior

Usando técnicas de luz da pintura para dar dimensão ao seu filme

Próximo post

13 Maneiras de Fazer Fotos Vintage com Criatividade