10 Dicas Essenciais sobre Tratamento de Imagem

0 327
Tempo de leitura: 4 minutos

O tratamento de imagem é um frequente alvo de críticas, mas muitas pessoas só pensam nele quando veem algo que passou do ponto, como um umbigo ou uma mão que sumiram espantosamente. Hoje, praticamente tudo o que vemos é manipulado digitalmente, seja apenas uma correção de cores e contraste, ou, nos casos mais avançados, técnicas de reconstrução de pele e cabelos. E isso não é um advento da fotografia digital! Se você já viu a foto da Kim Kardashian para a revista Paper, saiba que a mesma ideia já havia sido usada pelo mesmo fotógrafo há 30 anos, quando o “tratamento” era recortar e manipular filmes num laboratório. Hoje, como a informação circula muito rápido, as fotos originais acabam caindo nas graças de leigos e se espalham pela internet. Nesses casos, o choque só acontece se vemos o antes-e-depois. Você pensa sobre a imagem da família feliz na parede da agência bancária? Sobre o hambúrguer no cardápio do seu fastfood favorito? Sobre o morango na embalagem do iogurte? Provavelmente não, porque raramente alguém tem acesso a essas imagens exatamente como saíram da câmera digital. Tratamento de imagem não é pecado! Se você aprender bem e souber dosar o que vale a pena ser usado no seu estilo de trabalho, essa pode ser mais uma das suas ferramentas de ouro. Vamos a algumas dicas?

1 – Edição é diferente de tratamento! Editar é conhecer todo o material que você fotografou e decidir o que será usado, e com que finalidade. Basicamente, é o que o módulo “Biblioteca” do Lightroom faz, marcando as fotos por cores, estrelas, etc. Na fotografia analógica, o processo de edição era feito manualmente através da contact sheet, a folha com os negativos ou cromos. O tratamento, por sua vez, é o melhoramento da imagem, que, no fluxo digital, geralmente começa com um arquivo raw no modo “Revelação” do Lightroom e pode se estender a retoques mais finos no Photoshop.
Tratamento de Imagem

2 – Um bom tratamento depende de uma boa edição! De nada adianta saber as melhores técnicas de retoque se a foto escolhida para ser tratada não tiver potencial para se transformar numa imagem ainda mais incrível. Por mais bem feito que seja, todo tratamento passa por uma etapa destrutiva, onde a foto perde suas informações originais. Se você começar com uma imagem sub ou superexposta, sem foco, nitidez ou com uma iluminação ruim, seu resultado não será o melhor justamente porque a imagem também não é.

3 – Saiba qual o seu propósito! Você não vai transformar a pele de um diretor empresarial na pele de uma modelo. Você não vai fotografar um editorial para uma revista e entregar as imagens com correções básicas. Você não vai fotografar uma festa de aniversário e corrigir a pele de todos os convidados. Cada trabalho pede um tipo de tratamento, e cada cliente paga por um tipo de foto. Não gaste horas num trabalho simples, e não entregue o básico quando um trabalho minucioso tiver sido combinado. Saiba seu valor como fotógrafo e como retocador de imagem!
Tratamento de Imagem

4 – Plug-ins são ótimos! Muita gente critica o uso de predefinições ou plug-ins, dizendo que esses aceleradores do processo de tratamento prejudicam a qualidade do produto final. Um bom manipulador de imagem pode, sim, se valer desses recursos durante o trabalho, mas a grande diferença está sem saber como e quando usá-los. Tratamento de imagem não é só sobre deixar uma foto mais bonita, mas também sobre toda a funcionalidade que existe durante o processo: ferramentas, funções, propósitos e, óbvio, praticidade.

5 – Comece pelo básico! Se você é novo nos estudos sobre tratamento, comece pelo que você acha que sabe fazer. Desafie-se a aprender um pouco todos os dias, mas não tente aprender dodge and burn se você não sabe como funcionam as camadas de ajuste e os modos de mesclagem. Os softwares mais conhecidos tem uma variedade enorme de ferramentas com funções parecidas, uma infinidade de menus e submenus. Explore tudo de maneira organizada e, se possível, anote o que você aprendeu. Assistir a vídeo-aulas e tutoriais também é um ótimo meio de treinar suas capacidades!
Tratamento de Imagem

6 – Diferente não é melhor! Muita gente pensa que quanto mais diferente da imagem original, melhor é o resultado. Qualidade de trabalho não é distanciar-se do que a foto era, mas estabelecer um objetivo, pesquisar referências e criar um caminho funcional para chegar ao visual desejado. Diferente por diferente, bastaria colocar 20 filtros prontos sobre uma foto e pronto! Tratamento de imagem é um processo criativo, mas também consciente.

7 – Existem equipamentos para tratamento de imagem! Se seu monitor não exibe as cores corretamente, como você vai saber o que precisa ser corrigido? Pesquisar e investir em um bom monitor é essencial. Além disso, um calibrador de tela é indispensável, porque mesmo os bons monitores costumam vir com algumas variações de fábrica. Além da parte de visualização da imagem, se você pretende avançar seus estudos e desenvolver suas capacidades como retocador, uma mesa digitalizadora será indispensável para fazer retoques mais precisos e naturais, como cabelos, recortes ou o uso de outra ferramenta onde a sensibilidade à pressão possa fazer diferença. Isso tudo descontando a compra dos softwares e plug-ins originais…

8 – Tratamento avançado demora! Várias pessoas me perguntam qual é o jeito mais rápido e fácil de conseguir um bom resultado no tratamento de pele, e minha resposta é sempre a mesma: não existe. Quando o objetivo é um resultado impecável e natural, podemos chegar a trabalhar horas numa imagem. Mesmo às vezes recorrendo a alguns plug-ins e actions, um bom trabalho de observação detalhada vai dizer o que precisa e o que não precisa ser feito. O tratamento simples, feito no Lightroom, pode ser sincronizado rapidamente para outras imagens; o tratamento avançado, no Photoshop, não. Se cada foto é única, cada tratamento também deve ser.
Tratamento de Imagem


9 – Observação é tudo! É possível ensinar a alguém o caminho exato de uma determinada técnica, mas o que dirá à pessoa quando será preciso usá-la é a experiência de observação. Você pode aprender diferentes técnicas sobre dodge and burn, mas para poder aplicá-las numa foto, você precisa, antes, saber localizar as altas luzes e as sombras. Do mesmo modo que um bom fotógrafo tem um olhar crítico pra saber o que é interessante, um bom retocador tem um o mesmo olhar para o que precisa ser melhorado. E esse olhar só é desenvolvido com a prática constante!

10 – Não apague seu portfólio! Se depois dessas dicas você estiver pensando em refazer o tratamento de alguma das fotos que tem, pare. Seu trabalho antigo pode servir de referência para o que você tem que melhorar, mas se você pretende renovar suas técnicas de tratamento, porque não aplicá-las num trabalho novo? Aproveite o momento e a energia para melhorar sua iluminação, composição e direção.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade