Home»Artigos»Desvendando Mad Max: Fury Road

Desvendando Mad Max: Fury Road

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Chamar Mad Max: Fury Road de um passeio de emoção em ritmo acelerado pode ser o eufemismo do ano. Provavelmente esse ritmo acelerado vem do fato de que uma hora e 45 minutos do filme de duas horas são, essencialmente, uma única cena de perseguição de alta octanagem, que também vem com muitos cortes de edição relativamente rápidos. Na verdade, o filme é composto por cerca de 2700 tomadas individuais, as quais, quando em média ao longo do tempo de execução dois horas, coloca uma média de 2,66 segundos por tomada. Durante as sequências mais rápidos, essa média é significativamente mais baixa.

Enquanto os cortes absurdamente rápidos são frequentemente utilizados como um dispositivo para desorientar propositadamente o espectador (uma técnica que se tornou conhecido como cinema caos), é seguro dizer que em Mad Max: Fury Road, o telespectador nunca se sente particularmente desorientado, mesmo em seus momentos mais caóticos e cenas mais rápidas. Em outro excelente post em seu blog, Vashi Nedomansky compartilha um trecho do filme coberto com uma guia de enquadramento e comentários do cineasta John Seale ACS. E, neste trecho, temos a razão técnica por trás do porquê o filme não desorienta o espectador apesar de sua velocidade vertiginosa, e essa razão é simples: enquadramentos intencionalmente centrados.

Em essência, esses enquadramentos centrados mantém nossos olhos focados em áreas apropriadas do quadro em todos os momentos, as áreas do enquadramento em que as ações mais importantes acontecem. Enquanto, inevitavelmente, leva tempo para os telespectadores processarem a informação visual em cada nova tomada apresentada a eles, com esta técnica, este tempo é cortado drasticamente ao manter constante toda a ação focada em uma área do quadro tomada após tomada. Com efeito, isso permitiu a Margaret Sixel, editora do filme, edita rapidamente e realmente conduzir o ritmo do filme em um território insano sem deixar o público na poeira.

A cinematografia de Mad Max: Fury Road john_seale_cinematographer_mad_max_fury_road

Quando Mad Max: Fury Road chegou aos cinemas no início deste ano, ele fez um enorme sucesso graças aos seus efeitos práticos e emocionantes acrobacias. Agora vamos dar uma olhada na cinematografia do filme.

Embora os filmes anteriores do Mad Max tinha sido filmado por Dean Semler, o diretor George Miller escolheu o premiado Diretor de Fotografia australiano John Seale para o trabalho das lentes em Mad Max: Fury Road. E mesmo que Seale já estivesse aposentado na época, o show era bom demais para deixar passar. Depois de saltar a bordo na final de um extenso processo de pré-produção, Seale fez as malas e rumou para o local principal do filme nos desertos da Namíbia, onde posteriormente comemorou seu níver de 70 anos de idade durante a produção.

 

Em um novo vídeo Artisans da Variety, Seale fala sobre o processo de filmagem do Mad Max: Fury Road, como ele não foi recebeu um script, mas em vez disso, mais de 3500 storyboards, e por que ele escolheu filmar com múltiplas câmeras, apesar de George Miller preferir uma abordagem de câmara única.:

 

Um dos detalhes interessantes da entrevista com Seale é sua teoria sobre o que ele chama de “what if” (e se, em português) filmes. Esses filmes são improvisados, onde o diretor e o diretor de fotografia podem tomar decisões criativas no set, e fazer alterações, se necessário. Para Seale, o Mad Max: Fury Road foi exatamente o oposto de um “what if” filme. Tudo neste filme foi planejado extensivamente e de forma rigorosa, e para que o filme funcionasse como foi previsto por Miller, o plano teve de ser realizado exatamente como no script. A principal lição aqui é que alguns filmes são “what if”, e outros definitivamente não são. Como diretor de fotografia, é importante saber qual o tipo que você está trabalhando, porque isso vai informar a maneira que você aborda o filme, da preparação e da produção.

 

Comentários

comentários

Post anterior

Aplicativos para Fotógrafos e Diretores de Fotografia

Próximo post

10 Maneiras de Melhorar as Suas Fotos de Corrida