O olhar fotográfico para uma das maiores favelas do mundo

0 217
Tempo de leitura: 2 minutos

As desigualdades sociais tão latentes em nossa realidade são facilmente exemplificadas com o contraste entre os considerados como bairros nobres e as favelas. Uma dessas localidades que contextualiza esse aspecto é a favela da Rocinha, situada na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, ao lado de regiões com alto custo de vida como Gávea e São Conrado.

Além do quesito da desigualdade, o tema do preconceito também é elemento que prejudica, na maioria das oportunidades, a visão alimentada pela grande população sobre como verdadeiros “organismos vivos” onde milhares de pessoas vivem em espaços geográficos bastante reduzidos conseguem funcionar. Acreditando-se, em diversos momentos, que os locais são foco único e exclusivo de atividades criminosas.

o-olhar-fotografico-para-uma-das-maiores-favelas-do-mundo-Blog-eMania-1-25-05
Foto: Rocinha Sob Lentes

Diante destas questões, quatro jovens moradores da Rocinha (Allan Almeida, Diego Cardoso, Erik Dias e Marcos Costa) conseguiram uma rica reunião de imagens feitas com máquinas fotográficas e também smartphones com olhar fotográfico voltado ao cotidiano e particularidades da maior favela do Rio de Janeiro. Tudo isso para a produção do livro denominado Rocinha Sob Lentes.

João Roberto Ripper, fotógrafo popular que tem um texto assinado no livro, além do editor da publicação, Dante Gastaldoni, comentaram sobre a iniciativa que desperta sentimentos como emoção e satisfação.

o-olhar-fotografico-para-uma-das-maiores-favelas-do-mundo-Blog-eMania-2-25-05
Foto: Divulgação

– O livro pode ser entendido como a mais recente manifestação de um movimento nascido nos anos 2000, que vem sendo chamado de Fotografia Popular. Iniciado com a Escola de Fotógrafos Populares da Maré em 2004, esse processo transforma os moradores dos espaços populares em cronistas de seus próprios territórios – afirmou Dante.

– Já lá se vão 50 anos trabalhando como fotógrafo documentarista e, acreditem, ainda me emociono quando descubro fotógrafos populares documentando suas comunidades com aquele misto de intimidade e afeto que só quem vive ou viveu na localidade possui – pontuou Ripper.

E você, sentiu vontade de produzir algo também no seu bairro? Conhece alguma iniciativa parecida de olhar fotográfico que merece ser contada? Deixe nos comentários!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceito Política de Privacidade