Home»Artigos de Foto e Video»Qual a diferença entre a fotografia profissional e amadora?

Qual a diferença entre a fotografia profissional e amadora?

36
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

Ter um equipamento fotográfico bom para capturar quadros esteticamente estudados torna a pessoa um expert na área da fotografia ou a capacita como profissional do ramo instantaneamente?

Dentro deste mercado, amplo e muito menos exigente de diplomas e cursos, afinal, o que tem maior validade: Uma boa imagem ou um completo aparato que possibilita um título de profissional?

Ao que conste, excelentes câmeras fotográficas, ainda que muito modernas, não são adquiridas junto com ingredientes básicos para a fomentação do profissional, que deve ser pró-ativo, lançando-se a busca de informações, treinos e experiências pessoais que elevem seu próprio nível de trabalho.

E se você está satisfeito com o status de amador na fotografia, vale ressaltar que sua compreensão do termo pode estar equivocada, precisando de uma atualização sobre o que é e quem pode ser considerado como parte deste grupo de fotógrafos.

Pensando em todas essas questões, e, ainda, na curiosidade geral sobre os termos já citados, vamos, hoje, falar um pouco sobre quais são as principais diferenças entre a fotografia profissional e a fotografia amadora, com ênfase na pessoa que está por trás da câmera.

Vamos ver, também, quais são as principais características dos fotógrafos de cada um desses dois grupos.

Profissional X Amador
fotografia profissional e amadora

Profissional, de acordo com o dicionário Michaelis, significa “que exerce uma ocupação como meio de vida” enquanto que, ainda pelo mesmo dicionário, amador corresponde a quem “cultiva qualquer arte por prazer e não por profissão”.

Veja, portanto, que entre as conceituações não há nada que determine a qualidade técnica sobre cada um dos termos, sendo possível, sim, que o amador chegue a apresentar uma melhor desenvoltura do que o próprio profissional da área.

A diferenciação entre esses dois tipos de fotógrafos acaba, muitas vezes, por ser pejorativa, entendendo-se que apenas os profissionais são bons. Está completamente errado!

O fotógrafo amador produz fotos de qualidade, com equipamentos avançados assim como os que levam o título de profissionais. Eles estudam a história da arte e da fotografia, fazem cursos e atualizações, saem para fotografar e sempre querem melhorar suas técnicas também.

A grande diferença está no tempo que dedicam à atividade fotográfica!

Veja:

Fotógrafo profissional:

– Faz da fotografia profissional sua principal atividade e a desenvolve 24 horas por dia, nos 7 dias da semana;

– Faz ensaios para suprir a necessidade de seus clientes, independente de quem são, vive completando espaços em sua agenda de trabalho; e

– Tem compromisso com prazos, fluxos e demandas de trabalhos e de clientes.

Fotógrafo amador:

– Tem uma atividade de trabalho que não é a fotografia;

– Gosta de fotografar nas horas vagas, por prazer, não possui agenda e faz ensaios, para terceiros, mais esporadicamente; e

– Não possui tantos compromissos com datas e prazos.

E você, caro leitor, sabe que tipo de fotógrafo é?

É importante ressaltar, entretanto, que ambos recebem pelas fotografias feitas para terceiros, não sendo a atividade remunerada apenas do primeiro grupo citado.

Vale citar, ainda, que em muitos casos o fotógrafo amador consegue capturar cenas mais excêntricas e diferenciadas, visto que sua liberdade de exercício na fotografia é bem maior. O profissional, muitas vezes, fica preso a padrões estéticos e fórmulas básicas, limitando sua visão de mundo.

Além disso, o fotógrafo profissional pode “tendenciar” para a estagnação após assumir determinado patamar na carreira. Uma boa clientela, horários cheios nas agendas e um bom fluxo de caixa podem acabar por encerrar planos de estudo e atualização, tão importantes no dia a dia profissional de qualquer área.

Diferenciação na fotografia

Quem produz a foto profissional e a foto amadora após estes esclarecimentos? Você deve estar pensando que, obviamente, o tipo de imagem capturada segue o nome do grupo de fotógrafos que a produziu, porém, aqui, temos um embate: Nem sempre o profissional sabe fotografar como um profissional.

Há algumas técnicas capazes de dizer se determinada fotografia é, ou não, profissional e se é amadora. Além disso, também existem dicas de como elevar o nível de sua foto, tudo de um jeito simples, exigindo, apenas, dedicação e determinação.

Copilamos tudo isso em 6 tópicos para você, caro leitor! Aproveite, ao máximo cada uma das informações abaixo.

1-    Vocação
fotografia profissional e amadora

Mesmo parecendo óbvio, há que se citar que no mundo das artes é preciso ter vocação para assumir a caminhada de uma carreira longa e, principalmente no começo, instável.

A vocação é determinante para quem continua na área da fotografia. Apesar de, com estudos e aprimoramentos, uma pessoa conseguir alcançar níveis admissíveis para um bom olhar crítico sobre determinada cena, há pessoas que nascem com esta visão nata e sistêmica. É possível que o último grupo se destaque mais.

Fotografar requer muita determinação e a pessoa precisa estar em processo de aprendizagem constante.

Com as tecnologias recém-lançadas, aplicativos de fotos e tratamento, os clientes passaram a querer mais profissionalismo. Eles também têm investido por olhares diferenciados sobre uma mesma cena.

A carreira fotográfica não é estagnada e o profissional da área precisa manter-se atento a todas as tendências deste gigantesco mercado. Em resumo, o público que paga por fotos quer novidades!

Repare, por exemplo, nas recentes inovações nos books de gestantes e bebês – ensaios newborns. Alguém teve que dar o pontapé inicial neste novo conceito de trabalho fotográfico que tem entupido os horários dos estúdios.

Neste ramo, este tipo de ideia muda tudo!

2-    Tempo e experiência

Assim como em tudo na vida, o tempo e a experiência são velhos aliados para o desenvolvimento de uma boa atividade. Na fotografia profissional, apesar de algumas pessoas possuírem dom, estes termos são essenciais para um excelente resultado final.

Todo início é complicado, com dúvidas e medos. Existe, depois, uma fase de transição em que o fotógrafo já conseguiu dar os primeiros passos, porém, não atreve-se a sair do trecho que já conhece e que considera seguro.

Um bom profissional está realmente desenvolvido quando alcança o conhecimento técnico sobre todo o seu equipamento, sabe como e quando usar cada uma das funções de sua câmera fotográfica, consegue trabalhar livremente nos mais diversos tipos de ambientes e situações, possui confiança si mesmo e em seu trabalho.

Sair dos padrões convencionais é o primeiro sintoma de quem está disposto a viver da fotografia!

Toda liberdade vivenciada através da experiência de vida do fotógrafo vai para a imagem capturada pelas lentes da câmera, destacando-se como um belo exemplo de fotografia profissional de qualidade.

Vale ressaltar, por fim, que não há uma classificação de “quantidade de anos” para obter tamanha experiência. Há quem alcance o ápice com 2 anos de muita aplicação e, quem nunca alcance este mesmo nível, mesmo com 50 anos de um trabalho inexplorado.

3-    Equipamento de trabalho
equipamento fotografia profissional

Sem sombra de dúvidas, o equipamento que o fotógrafo tem a sua disposição para trabalho é determinante na hora de definir se a imagem é uma fotografia profissional ou amadora.

Por mais qualidade que a visão do fotógrafo tenha, jamais uma foto capturada por um celular será uma fotografia profissional por motivos de conhecimento geral: Falta qualidade, ISO, resolução adequada para posterior tratamento e assim por diante.

Um bom equipamento de trabalho garante muitas vantagens nas mãos de quem sabe trabalhar!

Porém, é possível, sim, encontrarmos uma fotografia amadora entre as imagens de uma câmera profissional, por exemplo. Isso porque, apesar de ser altamente tecnológica e desenvolvida, quem faz a imagem e cria todo o conceito central da fotografia é a peça fundamental que está por trás de todo o equipamento: O fotógrafo.

Mesmo com uma gigantesca gama de opções disponíveis para fazer as melhores imagens, se a pessoa não possuir conhecimentos práticos e técnicos, de nada adiantará, visto que a fotografia profissional não poderá ser confeccionada da mesma forma.

Uma dica interessante é que cada profissional conheça, a fundo, seu equipamento. Sempre, ao adquirir uma nova ferramenta de trabalho, leia o manual, saia para fotografar nos diversos tipos de ambientes e exponha a diferentes tipos de luz para que, assim, na hora de uma sessão, você esteja preparado.

Teste todas as opções e funções do equipamento e não seja pego de surpresa.

4-    Especialização na área fotográfica:
fotografia profissional e amadora

As principais fotografias profissionais que vemos estão relacionadas a um tipo específico de segmentação e, para conhecimento geral de nossos leitores, a gama de opções para se especializar na área fotográfica é grande.

Veja alguns exemplos de tipos ou gêneros fotográficos a que o profissional pode dar preferência para trabalhar:

  • Espetáculos;
  • Esportes;
  • Eventos;
  • Fotojornalismo e reportagens;
  • Moda;
  • Nudez;
  • Paisagem natural ou urbana;
  • Produtos e objetos;
  • Publicidade;
  • Retrato;
  • Viagens e locais;
  • Vida selvagem e etc.

Os grandes renomes do campo da fotografia foram especialistas em alguma área e isto é muito importante para quem deseja uma carreira marcante e de sucesso reconhecido por um vasto território.

Em outros termos, um pouco mais simples, você pode se dedicar a fazer fotos só com gestantes (lembra-se do exemplo anterior sobre este ser um mercado em evidência no momento?) e pode tornar-se referência em sua cidade ou região (quem sabe Estado?), para este tipo de ensaio.

Amadores geralmente fotografam tudo que enxergam pela frente. Seja para fotos particulares ou para terceiros, não direcionam seus trabalhos com um objetivo, um foco desenhado. Simplesmente vão fotografando!

5-    Formação acadêmica:

Evidentemente, entre os fotógrafos, é pequeno o grupo que fez uma faculdade superior de fotografia antes de ir a campo e ter certeza sobre a área profissional. Com toda certeza, os cursos fotográficos não recebem recém-formados, do colégio, para seus assentos, isto é algo que, em alguns casos, vem com o tempo.

Grande parte dos profissionais não possui nenhum papel habilitando-o a praticar a profissão, isto porque ser fotógrafo não exige diploma ou certificado, mas sim qualidade e resultado para apresentar e, assim, ganhar clientes.

Há quem diga que, neste campo, tempo e experiência (item 2 deste artigo) são a escola mestre para um profissional que deseja ser maduro o suficiente para ser reconhecido por seus trabalhos.

Hoje, com o advento da internet, por exemplo, os fotógrafos podem pesquisar e estudar muito sobre os mais diversos assuntos e tendências sem ter que passar horas sentados numa sala de aula.

Isto os capacita, inclusive, como uma das principais categorias autodidatas.

Não há nada que nos leve a desaconselhar um profissional a buscar por um curso mais completo e direcionado a sua área, porém, expressamos aqui, apenas, que antes de tamanha decisão, há muito que se aprender por conta ou por cursos de atualização, palestras, vídeo aulas e assim por diante.

Mas, siga seus sonhos e seu desejo pessoal, certo?

6-    Dedicação ao trabalho e exigência comercial:
fotografia profissional e amadora

Como citado anteriormente, nas definições de profissional e amador, a dedicação e o tempo disponível para trabalhar com fotografia fazem toda a diferença na classificação do trabalho.

E, assim como se considera profissional o fotógrafo que vive da fotografia, trabalhando diariamente com ela e, amador, o que tem apenas uma parte do dia, ou da semana, disponível para exercer tal arte, a foto, imagem em si, também depende de toda esta dedicação para ser enquadrada nos grupos de padrão de qualidade.

Quanto mais dedicação e tempo um fotógrafo tiver para se aprimorar, mais sua fotografia profissional.

Vale ressaltar que a exigência geral do mercado é por qualidade!

Você pode ser um fotógrafo profissional ou amador, mas, suas fotos, essencialmente, devem ser profissionais! São elas que verdadeiramente importam aos clientes que farão novas solicitações de trabalho, passarão seus contatos ou referências para amigos e conhecidos e assim por diante.

Uma regra simples para quem deseja ser um bom, e recomendado fotógrafo, é fazer o melhor sempre! Nunca entregue um trabalho se estiver consciente de que algo poderia ser melhorado antes.

Ganhe pontos ao surpreender o cliente, isso fará toda a diferença!

E jamais, jamais mesmo, deixe de pedir um feedback. O que o cliente achou do trabalho realizado? Algo ficou a desejar? Aproveite das redes e mídias sociais para pedir “estrelinhas” em sua página e conquiste mais clientes!

Por falar em feedback, que tal deixar a sua opinião abaixo sobre este artigo? Será muito bom descobrir o seu ponto de vista.

Comentários

comentários

Post anterior

Dicas para uma fotografia embaixo d'água incrível

Próximo post

Câmera Canon T6i - Review

1 Comentário

  1. […] um negócio de fotografia profissional é extremamente simples, você só precisa encontrar pessoas dispostas a pagá-lo para tirar […]